terça-feira, agosto 04, 2020

VOTOS DE BOAS FÉRIAS A TODOS !

 

Fim de julho, princípio de agosto de 2020...

Neste merecido início de férias escolares, vamos, com tenacidade, paciência e coragem recuperar, vencer incertezas, medos e desafios!
Nunca nos resignaremos perante a adversidade. Nunca. Nunca. Nunca!
Apesar de tudo, a Natureza ensina-nos que a vida continua...


 "Nenhum homem é uma ilha, completo em si próprio; cada ser humano é uma parte do continente, uma parte de um todo." como muito bem disse John Donne. Todos precisamos de todos para sairmos desta estranha forma de vida que uma pandemia causada por uma ameaça improvável nos impôs, e onde todos os cuidados são poucos.
Agora, nesta época de tão merecidas férias, é tempo de recuperar totalmente forças perdidas, a energia vital para estarmos em condições de melhor podermos enfrentar esta terrível e cega pandemia que assustou - e continua, infelizmente, apesar de todas as medidas já tomadas - a assustar o mundo !
Apesar de tudo, a Natureza ensina-nos que a vida continua...


Desde meados de março de 2020, muitas transformações - por exemplo a implementação rapidíssima do ensino à distância - tiveram lugar na escola, nas nossas vidas, no nosso país e, de modo geral, no mundo inteiro.
A pandemia covid 19 alterou o nosso modo de viver e de encarar a existência. Gerou medos, receios, angústias, frustrações. Roubou e continua a roubar muitas vidas. E, mesmo naqueles que venceram a doença, deixa sequelas, por vezes gravíssimas, no corpo e na alma. 
Por outro lado, a covid 19, não nos deve fazer esquecer que há outras doenças igualmente perigosas e terríveis, das quais podemos vir a sofrer, por vezes de forma inesperada. Temos de estar alertas perante outras patologias, outras ameaças. A vida do ser humano é muito frágil...
Apesar de tudo, a Natureza ensina-nos que a vida continua...


Um dos aspetos talvez mais marcantes revelados pela covid 19 é que o ser humano, com a sua incrível capacidade de adaptação, o seu espírito de resistência, a sua ativa e inabalável paciência virada para um futuro mais feliz, a sua tremenda criatividade, o seu espírito de sacrifício, e a sua fé, soube encontrar formas de travar e de contrariar uma ameaça terrível e invisível. Levou algum tempo, exigiu muito esforço, mas aprendemos a conviver com a presença de um inimigo traiçoeiro. 
Apesar de tudo, a Natureza ensina-nos que a vida continua...


Agora, no final de um ano letivo atípico, exigente, cansativo, muito stressante, muitíssimo desgastante fisica e psicologicamente chegou a altura de recuperar forças, fazer ginástica, praticar desporto,  no contacto com a serena energia e a beleza da natureza, respeitando sempre as normas de segurança, os avisos e as normas que nos são permanentemente recordados pela DGS.
Todo o cuidado é pouco! Todas as cautelas nunca serão demais. Sabemos bem que não podemos facilitar! Nunca! Nunca!
Apesar de tudo, a Natureza ensina-nos que a vida continua...


Julho, agosto, setembro são meses solares, que transmitem energia e vitalidade.
Oxalá saibamos retirar de cada raio de sol, de cada gota de mar salgado, de cada átomo de oxigénio, de cada paisagem deslumbrante, o chamamento, a energia e a força para uma vida nova, plena, harmoniosa, autónoma, digna e livre, rodeados de todos os que nos são caros e que jamais esquecemos, onde quer que se encontrem.
Temos de saber aceitar, compreender, investigar as ameaças que pairam sobre a humanidade para melhor as combater e vencer. Mesmo se, por vezes, achamos que a vacina ou o medicamento que trará a cura para todos, levam demasiado tempo a ser disponibilizados.
Mas a Natureza e a Arte ensinam-nos que a vida é bela, apesar de todos os perigos, todas as ameaças, todos os sofrimentos, todos os imprevistos, todas as lutas que é preciso travar, muitas vezes quando menos esperamos...

  Vincent Van Gogh, Os Girassóis (1888)

Vamos, por isso, permanecer muito atentos, informados e vigilantes, de modo a evitar males maiores e situações que todos pretendemos evitar.

Assim, apesar de estarmos a viver num contexto mundial algo estranho em que o medo anda à solta e todos os cuidados sanitários são poucos, a Equipa da Biblioteca Pedro Seromenho,  deseja  aos seguidores e visitantes deste blogue:

BOAS FÉRIAS  E ... BOAS  E BELAS LEITURAS!

Capitão Kispo

domingo, junho 21, 2020

REFUGIADOS: ENTRE A ANGÚSTIA A CORAGEM E O SONHO




A seca, a desertificação, os conflitos, as guerras, a intolerância religiosa, a perseguição política, a violência, o desejo de ter uma vida melhor... Muitas causas podem forçar as pessoas a abandonar a sua aldeia, a sua cidade, o seu país, rumo a um destino incerto. É preciso muita coragem para deixar tudo rumo ao desconhecido.

O Dia Mundial dos Refugiados, assinalado a 20 de junho, vem alertar-nos para o mundo violento e desigual no qual vivemos. A situação dos refugiados, em plena pandemia causada pela covid 19, é particularmente precária e vulnerável.


Este dia pretende sensibilizar os países em direcção aos quais se dirigem os refugiados, para a necessidade de os receber, ajudar, e integrar os que pedem asilo. Não é tarefa fácil.
Mas o destino trágico destas vítimas de conflitos, das alterações climáticas, da intolerância ou da intransigência dos governantes, não pode deixar de nos comover.
 É sempre possível, de uma ou de outra forma, ajudar quem sofre e ajudar quem mais precisa a recomeçar uma nova vida.


COMBATER A DESERTIFICAÇÃO


17 de junho - Dia Mundial do Combate à Seca e à Desertificação, uma comemoração instituída a 30 de janeiro de 1995 pela Assembleia Geral da ONU para marcar a data da adoção da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação, estabelecida em Paris em 17 de junho de 1994, visa sensibilizar os povos e os governos para a urgência de implementar uma cooperação mundial para combater as ameaças da desertificação e da seca no mundo.



Os países mais afetados por essas graves problemáticas são sobretudo os países africanos, mas é bom lembrar, por exemplo, que Portugal já sofreu períodos de seca extrema nos anos recentes.


Não podemos fechar os olhos aos problemas do mundo! Não é só a covid 19 que representa uma importante ameaça para a sobrevivência da humanidade. Não nos podemos distrair...



terça-feira, junho 16, 2020

ELOGIO DA PACIÊNCIA...

 E viver é não se resignar.
Albert Camus


O mundo anda de máscara (para quem as consegue obter!). Imperadora do medo, a invisível covid-19 reina num mundo que já mesmo antes dela tinha de enfrentar tantas outras doenças e ameaças.


Face à nova doença, o mundo tenta proteger-se. O mundo resiste. Viver é isso mesmo: resistir, como bem o expressou o genial, íntegro, desencantado humanista, jornalista, escritor e filósofo francês nascido na Argélia, Albert Camus. Não foi por acaso que o tenebroso Jean-Paul Sartre organizou contra ele uma campanha difamatória e execrável. Nos anos 60, Albert Camus apreendeu, antes de muitos,  os horrores perpetrados em nome do comunismo  no mundo. Criticou todos os excessos. Sartre não lhe perdoou.
Ameaçados por uma grave crise sanitária, aprendemos a resistir, a lutar contra a adversidade, contra um vírus que pôs em causa o nosso estilo de vida.O mundo organizou-se para uma luta que, até agora, só as páginas dos livros de História, os romances e os filmes contavam.
No início de 2020, de repente, realizámos que também nós fazemos parte da história das grandes epidemias e pandemias da História. 


O mundo parou. Mais ou menos. Abrandou é talvez um termo mais certo. Até março de 2020, a comunidade humana vivia no êxtase da mobilidade e da deslocação rápida e cómoda, propiciada pelos modernos meios de transporte. Contudo, em poucos meses, o ritmo das nossas existências abrandou, a humanidade teve de (re)aprender um valor, uma virtude, algo esquecida: a paciência.
Diferimos compras, aquisições, adiamos sonhos de viagens, de descobertas, de encontros. O mundo era abertura; tornou-se fechamento, isolamento, solidão.
Abrandamos o ritmo das nossas vidas. Descobrimos que, afinal, temos de ter tempo para os que nos são próximos, tempo para nós também. A vida é tempo que passa. Sentimos cada minuto desse tempo.

Nestes meses longos e lentos em que vivemos confinados nas nossas residências, descobrimos que temos capacidade e força de vontade suficiente para resistir à satisfação imediata, ao impulso súbito. 
Descobrimos que temos a capacidade de esperar, de resistir. 
Descobrimos que somos capazes de suportar dificuldades, incómodos, incertezas, intranquilidade, apesar do ambiente adverso, das contrariedades, das angústias, dos medos, sem perder a calma e a racionalidade. É difícil, mas conseguimos. Somos resistentes. Somos resilientes.
Descobrimos que somos capazes de sofrer no presente, enquanto esperamos dias futuros que pintamos de encontros, de felicidade e de momentos de convívio, de risos, de abraços tão desesperadamente adiados.
Somos pacientes. Somos capazes de nos projetar no futuro melhor, ue acabará mais dia menos dia, por chegar. Sim, somos pacientes. 
Ser paciente não significa estar parado na calmaria do presente, mas antes estar a olhar ativamente para o futuro, a caminhar mentalmente para ele. A paciência é um caminho que se faz interiormente.
Descobrimos que somos pacientes. No coração de quem espera, há sempre um fio por mais frágil que seja de otimismo.

Origem da palavra paciência 

"Proviene del latín «patientia», que deriva del verbo «pati», que significa sufrir, lo cual se relaciona con que para esta actitud, para esperar hay que padecer, y se hace con la conciencia de que el beneficio llegará sin importar su origen. Aquí se tiene en cuenta que el participio patiens se vincula al castellano con la palabra paciente, con el siginificado de «el que sufre» y que directamente se refiere a quienes se hacen tratar en hospitales por ejemplo."




A paciência é uma atitude positiva, a capacidade de sofrer na expectativa de melhores dias. 
Do mesmo modo o doente, "o paciente", é aquele que está a passar por momentos, dias, meses de sofrimento e de dor, na esperança de uma cura, de uma plena recuperação, do reencontro com dias felizes. 
Assim, a paciência é algo de dinâmico, a paciência é um caminho que se faz. 

Para todos os doentes, "os pacientes" atualmente internados nos hospitais ( e a uma muito em particular) o Capitão Kispo dedica esta belíssima canção interpretada, em confinamento, por Norah Jones e que se intitula precisamente  "Patience", uma canção original do  grupo Guns and Roses
Sim, vamos ter paciência, porque melhores dias virão. 
Todos acreditamos que estamos a caminhar, passo a passo, para dias melhores...


O que de belo se disse sobre a paciência...

 A paciência é amarga, mas o seu fruto é doce. Jean-Jacques Rousseau

 Para quem sabe esperar, tudo vem a tempo. Clément Marot

 A paciência não é senão uma energia. George Sand

 O paciente resistirá até ao momento oportuno, mas depois a alegria brotará para ele. Bíblia

 A paciência é a capacidade de ser mais forte do que a adversidade que se arrasta no tempo. Não é só esperança, é fazer tudo o que é necessário para que ela se cumpra. Não basta vontade. É preciso firmeza. José Luís Nunes Martins

Tenho paciência e penso: todo o mal traz consigo algum bem. Beethoven

A paciência faz contra as ofensas o mesmo que as roupas fazem contra o frio; pois, se vestires mais roupas conforme o inverno aumenta, tal frio não te poderá afetar. De modo semelhante, a paciência deve crescer em relação às grandes ofensas; tais injúrias não poderão afetar a tua mente. Leonardo da Vinci

Paciência não é passividade; é vigor sem ansiedade. Witness Lee

Paciência e tempo dão mais resultado que força e raiva. Jean de La Fontaine

Em minhas preces de todo dia, sempre peço coragem e paciência. Coragem para continuar superando as dificuldades do caminho naqueles que não me compreendem. E paciência, para não me entregar ao desânimo diante das minhas fraquezas! Chico Xavier

Com amor e paciência, nada é impossível. Disaku Ikeda

Paciência e perseverança tem o efeito mágico de fazer as dificuldades desaparecerem e os obstáculos sumirem. John Adams

Para a arte de viver, é preciso saber a arte de ouvir, sorrir e ter paciência... Sempre. Herman Hesse

Se cada dia cai. Se cada dia cai, dentro de cada noite, há um poço onde a claridade está presa. Há que sentar-se na beira do poço da sombra e pescar luz caída com paciência. Pablo Neruda

Se somos calmos e pacientes, encontraremos não só a nós mesmos, mas também a nossa, alma e, com essa, Deus. Padre Pio

Paciência é uma coragem mais rara que aquela a que se chama valentia. Ramón de Campoamaor
E, por fim, uma citação de um dos dois ou três maiores escritores da história da literatura:

O paciente é o mais forte. Victor Hugo

Muito que pensar, com muita paciência...
Capitão Kispo

segunda-feira, junho 08, 2020

OCEANO À VISTA!



Hoje dia 8 de junho, a vida dos/nos Oceanos é celebrada um pouco por todo o mundo.
António Guterres, secretário-geral da ONU não se esqueceu de assinalar o DIA MUNDIAL DOS OCEANOS, relembrando num discurso, a importância essencial dos Oceanos para a sobrevivência da Humanidade:
 “Enquanto trabalhamos para acabar com a pandemia e melhorar a reconstrução global temos uma oportunidade única nesta geração de corrigir a nossa relação com o mundo natural, incluindo mares e oceanos. Hoje, o nível do mar está a subir devido às mudanças climáticas que ameaçam vidas e meios de subsistência em cidades costeiras e comunidades em todo o mundo”, começa por dizer Guterres na mensagem. “Os oceanos estão a tornar-se mais ácidos, colocando em risco a biodiversidade marinha e as cadeias alimentares essenciais, além disso, a poluição do plástico está em todo o lado. Apelo aos governos e a todos os interessados que se comprometam com a conservação e a sustentabilidade dos oceanos, através da inovação e da ciência.” 

Fonte: https://rr.sapo.pt/2020/06/08/mundo/dia-mundial-dos-oceanos-guterres-faz-apelo-aos-governos-em-tempo-de-pandemia/noticia/195860/




Para ilustrar este post, escolhemos duas imagens da mais bela e imponente praia do mundo: a praia da Nazaré - Praia Norte.
E agora? Agora é mais que tempo de passar das palavras aos atos! É tempo de agir. Mas agir mesmo.